Teas & dogs - diarinho #2

11 de dezembro de 2017
Domingo, 10 de dezembro de 2017

Talvez eu tenha virado vó antes mesmo de ter filhos: comprei dois pares de meia para minha amiga secreta. Para minha defesa posso dizer que esse item estava na lista de desejos dela. Espero que goste. Tô morrendo de sono e preguiça de embrulhar.

Modelei e costurei quase todo o casaco de moletom. Só não consegui terminar porque minha máquina de costura doméstica que já está uma senhora não aguentou o tranco de costurar três camadas de tecido grosso. Vou precisar costurar o que falta lá no curso, com as máquinas industriais.

Terminei de ver O Justiceiro e também Stranger Things. Outro dia vi Animais Fantásticos e Onde Habitam. Coisas legais, mas nada que ficasse favoritado no meu coraçãozinho. Cada vez vejo menos filmes e mais séries e não sei se gosto disso. Série é legal, mas é rotina, novela. Filme é outra vibe.

Também pela primeira vez na vida entrei numa loja de chás e fiquei ENCANTADA. Nunca senti tanto cheiro bom na vida. A moça simpática que atendeu mostrava as latas cheias de chá à granel pra gente (eu e namorado) cheirar e meu Deus? Que coisa maravilhosa??? Nunca fui tea person porque sempre associei o ato de tomar chá com ficar doente – graças a minha mãe, que sempre me entupiu de chá de tudo quanto é folha de árvore quando ficava gripada. No fim compramos 50 gramas de dois chás diferentes, que agora não recordo o nome. Foi uma fortuna, mas uma fortuna cheirosa.

Catarina, a Grande

Segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Hoje foi o primeiro dia que Catarina, nossa filhotona, saiu de casa para passear. Moramos no quarto andar, o último, num prédio antigo sem elevador, ou seja, para a menina descer com as próprias perninhas roliças, foi preciso primeiro aprender a subir e descer as escadas. Os primeiros passos foram completamente desajeitados porque ela simplesmente não sabia lidar com a situação, mas depois quase pegou o jeito e saiu correndo na nossa frente até o portão da frente.

De lá em diante foi só festa. Caminhamos na frente de uns condomínios caros que tem na vizinhança e também numa praça logo ao lado. O Bruno guiou Catarina e eu corri à frente, chamando ela. Tenho certeza que corri mais hoje que todo o resto desse ano. De todas as pessoas que vimos na rua, nenhuma ficou indiferente. A doguinha também foi balançando o rabinho e sorrindo para todo mundo. Teve até gente que abriu a janela do carro em movimento com o sorriso maior que o mundo e gritou LINDAAA. Me senti muito mãe de celebridade.
  1. Cadelinha mais amorzínea 💗 Adorei o relato!

    Abraços e boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é a coisa mais fofinha e bagunceira desse mundo <3 Obrigada!

      Excluir

 

Follow by Email

Theme e conteúdo por Marina R. - © Marina's Journal 2011 ~ 2017